Grêmio

Grêmio
Mais uma vitória em busca do tri!

Internacional

Internacional
A semana, a ideia de Roth, o Inter B.

Grêmio

Grêmio
Maylson garante mais uma vitória

Internacional

Internacional
O Inter estará pronto dia 16?

Fluzão entre os dezesseis

18 de mar de 2010

Amigos, o Tricolor gosta da Copa do Brasil. Neste recém-iniciado século, o quadro de Laranjeiras se tornou um dos times mais copeiros do Brasil. Em 2005, sob a batuta de Abel Braga, o Fluminense foi finalista da Copa do Brasil, perdendo o título num acidente em Jundiaí. Em 2006, chegamos às semifinais da taça, quando perdemos para o Vasco da Gama (clássico é clássico, e vice-versa, já dizia um dos maiores ídolos da história do adversário). Em 2007, sob o comando de Renato, veio a grande campanha. Ficaram para trás Adesg/AC, América/RN, Bahia, Atlético/PR, Brasiliense e Figueirense. E a Copa do Brasil finalmente deu o ar de sua graça na abarrotada sala de troféus da rua Álvaro Chaves.

Em 2008, a América se mostrava na frente do Tricolor, desafiadora como a face sul do Aconcágua. O Fluminense estava na Libertadores, após 23 anos de dramáticas ausências. E o continente se rendeu à magia tricolor. Ah, que saudades daquele time (Fernando Henrique; Gabriel, Thiago Silva, Luiz Alberto e Júnior César; Ygor, Arouca, Conca e Thiago Neves; Cícero e Washington, mais Dodô e Roger). Deixamos para trás Arsenal/ARG, Libertad/PAR, Atlético Nacional/COL, São Paulo e Boca Juniors/ARG. Veio a Liga/EQU na final, e perdemos para a altitude e para o senhor Baldassi. Não importa, daqui a duzentos anos, todos se lembrarão apenas do vice-campeão, que fez por merecer levantar aquela taça.

Em 2009, fomos novamente copeiros. Se, na Copa do Brasil, caímos diante do Corinthians nas quartas, na Copa Sul-Americana fizemos bonito. O time de guerreiros venceu a tudo e a todos, dando sangue, suor e lágrimas pela taça continental. Mais uma vez, a Liga/EQU na final, e mais uma vez a crueldade da altitude nos tirou a taça das mãos. Os 3 a 0 na final demonstraram inequivocamente quem era o verdadeiro campeão. Mas, mais uma vez, a taça subiu o morro. Hoje, estão as duas lá em Quito, chorando copiosamente pelo seu triste destino.

Ontem, vencemos o Uberaba em Minas Gerais, e nos classificamos. Foi a noite de Alan, o príncipe pó-de-arroz, autor dos dois gols. E o Fluzão já está entre os dezesseis melhores da Copa do Brasil de 2010.

Não me canso de citar o Profeta: se quiser saber o futuro do Fluminense, olhe para o seu passado; a história tricolor traduz a predestinação para a glória. Temos um passado copeiro, temos um presente copeiro, e temos um futuro copeiro. Seremos campeões em 2010, para voltar a desafiar a América em 2011. E aí então conquistar a suprema glória, que é nossa por direito, desde dois de julho de 2008, e para sempre.

PC

4 comentários:

Anônimo disse...

VICES, SEMIFINAIS, ETC, ETC NAO REPRESENTAM NADA PARA UM TIME COPEIRO.

TIME COPEIRO = TIME CAMPEÃO.


SEM MAIS

18 de março de 2010 21:20
PCFilho disse...

Amigo anônimo,

Então o Brasil não possui times copeiros de 2005 pra cá. Porque nenhum obteve mais que uma Copa.

Reveja seus conceitos.

19 de março de 2010 10:21
Anônimo disse...

É, PC,
a seleção de 1982 não ganhou a Copa do Mundo mas é lembrada até hoje.
O Fluminense aprendeu a disputar mata-mata! Ser campeão é questão de tempo.
Sds,
Leandro (anônimos vc nem deveria publicar)

19 de março de 2010 10:38
Ramón disse...

Time copeiro = time campeão

Vc acha que o São Paulo é time copeiro, anônimo? Mata-me de rir!

Como essa gente fala besteira!!!

E o que acontece quando dois copeiros se enfrentam? Eles dividem o título? (Flu e ldu são o que?)

É tão difícil pensar antes de escrever?

19 de março de 2010 16:25

Postar um comentário

 

2009 ·Gol de Letras by TNB