Grêmio

Grêmio
Mais uma vitória em busca do tri!

Internacional

Internacional
A semana, a ideia de Roth, o Inter B.

Grêmio

Grêmio
Maylson garante mais uma vitória

Internacional

Internacional
O Inter estará pronto dia 16?

Mais um fiasco

28 de fev de 2010


Apesar de ser, junto com o Atlético MG, o clube que mais participou de Copas do Brasil, o Vitória tem o péssimo costume de começar a competição tropeçando. Nada de anormal, se não fosse obrigatório, na primeira fase, o confronto com equipes de pouca tradição, contra as quais aplicar uma sonora goleada logo no jogo de ida seria o mínimo de se esperar de um time da primeira divisão.
Em 1990, na primeira fase da Copa do Brasil, o Leão encarou o Taguatinga, e perdeu tanto o jogo de ida como o de volta por 1x0, naqueles que seriam os únicos confrontos de toda a sua história contra a equipe candanga. Além de se desclassificar, o Vitória ainda conseguiu incluir na sua lista de tabus o fato de nunca ter vencido o Taguatinga. E o que é pior: é um tabu que jamais será quebrado, pois a referida agremiação já não existe mais como clube de futebol.
Em outras ocasiões, o rubro-negro baiano teve dificuldades, apesar de se classificar. A estreia em 1995 foi contra o Democrata de Governador Valadares e o Vitória amargou uma derrota por 3x2 no jogo de ida. Em 1996, o Leão não passou de um 0x0 no primeiro jogo contra o Maranhão. Em 1998, um empate sofrido por 2x2 contra o Operário MT e em 2002, o CENE, que no jogo de volta acabaria sendo goleado por 6x0, segurou um 0x0 no jogo de ida. No ano seguinte, o Vitória desclassificou o Tocantinópolis devido ao fato de ter marcado mais gols fora de casa, mas perdeu em pleno Barradão por 1x0.
Outros pequenos também incomodaram bastante. O caso mais emblemático foi o do Baraúnas RN, que se classificou derrotando o Vitória duas vezes em 2005 e arrancou dois empates em 2007, ocasião em que teria se classificado, não fosse pela escalação de um jogador em situação irregular. Em 2009, para não fugir à regra, o Vitória empatou duas vezes na estreia contra o ASA de Arapiraca, conseguindo uma sofrida classificação apenas nos pênaltis.
Nada mais humilhante, porém, que a derrota sofrida na última quarta-feira para o Corinthians Alagoano, agremiação que ocupa a 164ª posição no ranking da CBF e cuja maior façanha foi vencer o torneio seletivo para a Copa do Nordeste de 2003. E o pior não foi o fato de tomar 3x1 para o vice-campeão das Alagoas. O pior é ter perdido o jogo, mesmo após Ricardo Silva ter se dado ao trabalho de assistir pessoalmente, com antecedência, a uma partida do adversário pelo campeonato alagoano.
Ora, numa situação de normalidade, o Vitória jamais precisaria tomar qualquer precaução para enfrentar um adversário inexpressivo. Gilmar Batista, que o Google acaba de me informar ser o treinador da equipe alagoana, é que deveria orientar seus jogadores e prepará-los psicologicamente para conseguir arrancar um empate heróico diante de um adversário infinitamente mais tradicional, mesmo em seus domínios, às três da tarde, como foi o jogo da última quarta-feira.
Contudo, com o perdão do lugar-comum, devo dizer que há males que vêm para o bem. A derrota humilhante para o Timão genérico certamente serviu para Ricardo Silva entender de uma vez por todas que não dá para continuar com a mesma formação que vinha colocando para jogar no meio de campo. Parece que só ele não via que Bida não faz absolutamente nada em campo. Não marca, não dá passes, não cruza, não chuta... Enfim, é um jogador absolutamente improdutivo que teve uns lampejos de bom futebol há uns cinco anos atrás e só. É irritante a insistência em aproveitá-lo. Ao que tudo indica, “Bidane” será finalmente sacado do time para dar lugar a alguém que efetivamente queira jogar bola. Outra possível boa alteração é no ataque, pois a dupla Adaílton e Júnior parece mais eficaz e mais disposta a trabalhar do que Schwenck e Neto Berola.
Que venha o BAxVI.

4 comentários:

Lílian Alcântara disse...

Ei Diogenes, bem vindo ao blog.

Bom, eu não sabia que Vitório e Atlético MG são os dois times que mais participaram de Copa do Brasil. Imagino que têm números maiores que Cruzeiro, Internacional e Flamengo (que nunca cairam) pelo número de Libertadores que estes participaram. Mas não entendo por que Atlético tendo participado de 4 Libertadores iguala com Vitória que não participou (se não estou equivocada) e porque times como Fluminense que participou de apenas 3 também não está entre estes. Você tem alguma informação mais detalhada sobre isto? Fiquei curiosa...

28 de fevereiro de 2010 16:09
D. Neto disse...

É a 21ª participação de cada um deles. Somente em 2001 que a CBF tirou da Copa do Brasil os times que disputam a Libertadores. Deve ser por isso que o Galo tem a mesma participação que o Vitória.

1 de março de 2010 00:14
D. Neto disse...

Ah, e obrigado mais uma vez pelo convite. Espero corresponder às expectativas.
Abraço.

1 de março de 2010 00:15
Lílian Alcântara disse...

Ah sim, tá explicado então... valeu.
Que isto, a gente que agradece por ter aceito.

1 de março de 2010 19:12

Postar um comentário

 

2009 ·Gol de Letras by TNB