Grêmio

Grêmio
Mais uma vitória em busca do tri!

Internacional

Internacional
A semana, a ideia de Roth, o Inter B.

Grêmio

Grêmio
Maylson garante mais uma vitória

Internacional

Internacional
O Inter estará pronto dia 16?

102 anos do Internacional! Parabéns ao Clube do Povo do Rio Grande!

4 de abr de 2011

Olá, leitores, torcedores de diferentes times do país. Pois o Internacional sofreu um bom bocado com a arbitragem no sábado, e somente empatou com o Lajeadense (uma curiosidade: com os cunhados de minha primeira união estável, uma vez joguei bola numa das áreas do estádio Florestal....aquela onde Leandro Damião marcou o gol) em 1X1. Claro que a vulnerabilidade do sistema defensivo continua preocupando, e muito. Entretanto, não se pode deixar de citar a complacência do juiz com a verdadeira caçada sofrida pelos articuladores D´Alessandro e Oscar em campo. D´Ale, irritado, também acabou praticando falta violenta. E no segundo tempo, ainda ocorreu um pênalti no zagueiro Rodrigo, em um lance no qual o árbitro incrivelmente inverteu a infração! Porém, o que importa hoje são os 102 anos do Clube. Parabéns a todos nós, colorados! Podemos dividir a História em três períodos, aproveitando que 102 = 34 X 3. - 1909 a 1942: O Inter supera o amadorismo dentro do campo. Surge o verdadeiro DNA Colorado, com a formação do "Rolo Compressor", em estádio próprio, nos primórdios do Profissionalismo no mais popular dos esportes. - 1943 a 1976: O Internacional deixa para trás o principal adversário nos confrontos diretos e, num período de enormes transformações para a humanidade, vive a verdadeira Revolução da Era Beira-Rio. Monta o Melhor Time da História do Futebol Gaúcho e o eleva a outro patamar. - 1977 até os dias de hoje: A fase de maiores riscos corridos, mesmo que com um Tri Nacional Invicto no início dela. O surgimento de movimentos interessados no bem do Clube provoca a efervescência das mudanças democratizantes da Instituição. O Internacional se reorganiza e protagoniza um ciclo de títulos além-fronteira sem precedentes no Rio Grande, avançando para o profissionalismo na gestão (fora das quatro linhas), não sem percalços e dificuldades. Por ocasião do Centenário, escalei a seguinte Seleção Colorada: Rubens Francisco Mineli, como treinador. Manga, Cláudio, Figueroa, Florindo e Oreco; Salvador, Falcão, Paulo C. Carpegiani e Paulo C. Tinga; Tesourinha e Bodinho. Pois agora, acrescentarei um "banco" de cinco jogadores e o preparador físico, fechando 18 nomes fortes da História do Clube. - Fiquei muito indeciso em relação ao segundo goleiro. Clemer ganhou grandes títulos, mas não era plenamente confiável. Taffarel falhava em clássicos. Benitez, depois de um início desastroso em 1977, teve recuperação espetacular. Por esta razão, leva meu voto. - Batista, não obstante ter trocado o Inter pelo tradicional adversário, deu enormes contribuições nas conquistas nacionais. A atuação deste meio-campista na famosa goleada de 6X0 contra o Palmeiras, pelo Brasileirão 1981, é séria candidata à maior de todas de um atleta no Beira-Rio. Ele é um dos que não podem faltar entre os "Reservas do Internacional dos sonhos", também pela versatilidade. Jogava em todas as posições do setor onde as coisas se decidem, e até na lateral direita. - Jair era um craque, tido por muitos como o verdadeiro maior potencial no Super-Time da década de 70, que só não teria realizado plenamente por alguns problemas de conduta. Ponta-de-Lança e quarto jogador do meio-de-campo, tinha um chute extraordinário. E chegou a ser Campeão da América e Intercontinental, com o Penharol no começo dos anos 80. - Valdomiro, um atleta-símbolo de superação. Esteve presente nos três títulos do Campeonato Brasileiro, tendo sido vice em 1968. Além de se eternizar como o único participante de todas as conquistas da série do Octa Estadual. O ponta-direita com um dos mais perfeitos cruzamentos da História do nosso Futebol, que também batia faltas com alta qualidade. - Carlitos, o maior goleador em números absolutos. O Ponta-Esquerda do "Rolo" na década de 40. Claro que não o vi em ação, mas a presença é obrigatória, pelos dados sobre as atuações dele. - O Fisicultor só pode ser o inovador Gilberto Tim, também do Internacional dos anos 70. Espero que com uma baita vitória contra o Jaguares, na quarta-feira (42 anos do Gigante na data....), se desenhe muito mais claramente a perspectiva da busca do Tri da América, o que tornará ainda mais difícil eleger o Colorado de Todos os Tempos!

0 comentários:

Postar um comentário

 

2009 ·Gol de Letras by TNB